Uma verdade incrível: Deus é “meu” Pai

Olá a todos!
Eis a ideia para vocês refletirem ao longo da semana: “a paternidade divina”.

Todos nós recebemos muitos dons na nossa vida. Mas se paramos para pensar veremos que o maior é o maior de todos é a própria vida, não é verdade! Só por este dom, já temos muito que agradecer a Deus. Mas depois deste dom maravilhoso, penso que o maior de todos é o dom da filiação divina.
 
O que significa esse dom? Significa que Deus não só nos criou, nos trouxe à existência, mas que também, por pura bondade e amor, nos fez seus filhos. Não precisava ter feito isso. Deus poderia ser simplesmente o nosso Criador e nós apenas suas criaturas, permanecendo distante da nossa realidade.

Qual não foi a surpresa de todos os ouvintes, quando depois de pedirem a Jesus que os ensinasse a rezar, Ele começou dizendo: “Pai Nosso” que estás no Céu… Jesus poderia ter dito outras palavras, como “Meu Criador” ou “Deus Todo-Poderoso” que estás no Céu… Mas ao dizer “Pai Nosso”, Jesus revela pela primeira vez que o nosso Deus não é simplesmente Deus, mas é Pai; e mais ainda: “Pai Nosso”, “meu Pai”. E se Deus é “meu Pai”, eu sou, pasmemo-nos todos, da sua família!!! Não é incrível isto? Não é para passar o resto da vida agradecendo a Deus que nos tenha amado tanto fazendo-nos “seus filhos”?
 
Agora pensemos: se Deus é “meu Pai”, que decorrências isso tem para nós? Tem como decorrências coisas incríveis!!! Vejamos:
 
a) que tenha um amor indizível por nós
 
O caracteriza em primeiro lugar um pai é o amor que tem pelo seu filho. É um amor que só é comparável ao amor da mãe. Se um bom pai já sente um amor inigualável pelo seu filho, por sua filha, imaginem o amor de Deus por nós, onde Deus é o Amor infinito!
 
Como Deus deve se derreter ao olhar para nós, como quererá colocar-nos no colo e apertar nossas bochechas, como nos encherá com os seus beijos, como quererá passar horas brincando conosco! A Sagrada Escritura nos lembra esta verdade dizendo que Deus brinca com suas criaturas (cfr. Provérbios 8, 31).
 
Que esta verdade encha a nossa vida de uma imensa alegria, desfrutando deste amor paternal de Deus!!!
 
b) que tenhamos uma proteção infinita
 
Uma característica bem típica da paternidade é o desejo de proteção. Daí associarmos estes braços fortes do pai protegendo os seus filhos contra todos os inimigos.
 
Todo bom pai faz de tudo para proteger o seu filho. Sendo assim, como Deus, sendo o Amor infinito, não fará de tudo para proteger-nos? A proteção de Deus por nós chama-se Providência. Assim, com sua Providência, Deus cuida para que nunca nos falte nada, para que nada de mau nos aconteça.
 
Que esta verdade encha de confiança a nossa vida, sabendo que somos protegidos por uma Pai que além do mais é Todo-Poderoso.
 
c) que sejamos conduzidos à felicidade máxima
 
O amor de um pai tem outra característica: dar a sua vida para que seus filhos alcancem a máxima felicidade. Sendo assim, imaginem então como Deus, Amor infinito, está disposto a dar a sua vida para que sejamos muito, muito felizes.
 
Deus, diz um santo, passa 24 horas por dia planejando a nossa felicidade e ajudando-nos para que todos os nossos sonhos legítimos se realizem.
 
Que nós nos alimentemos sempre destas verdades decorrentes deste dom inefável: Deus é “meu-Pai”!!!! Viver consciente da paternidade divina é viver imerso num profundo amor e numa profunda paz e alegria. Vale a pena!!!
 
Uma semana abençoada a todos!

Padre Paulo