Produção Digital: Neomarkets

Família
Exemplo
Deixar rastro
Diálogo
Fofoca
Amor a Deus
Abandono
Insegurança
Auto Estima
Sentido da Vida
Benção de Viagem
Caprichar
Acomodação
Amor
Coisas Pequenas
Ciúmes
Amizade
Temperança
Acolhimento
Confiaça em Deus
Confissão
Conflitos Matrimoniais
Constância
Presença de Deus
Ansiedade
Pessimismo
Descanso
Bom Humor
Direção Espiritual
Elogio
Doentes
Educação
Esquecimento próprio
Espírito Santo
Desprendimento
Conhecimento Próprio
Esperança
Amor a Deus
Doença
Eucaristia
Exame de Consciência
Caridade
Existência de Deus
Providência Divina
Família
Existência de Deus
Ativismo
Bondade
Fazer o Bem
Conflitos Matrimoniais
Fidelidade
Férias
Evangelho
Crítica
Anjos
Fidelidade
Fim de Ano
Filiação Divina
Abandono
Vocação
Horas-Extras
Homem e Mulher
Humildade
Auto Estima
Servir
Gratidão
Ser Luz
Formação Cultural
Imaculada Conceição
Humildade
Imaginação
Sinceridade
Estigmas
Dificuldades
Insegurança
Ideais
Gentileza
Jesus Cristo
Exame de consciência
Formação
Liberdade Interior
Servir
Língua
Machismo
Mãe
Medo
Jaculatórias
Dor
Desprendimento
Matrimônio
Natal
Compreensão
Missão
Inveja
Maturidade
Morte
Mãe
Motivação
Família
Terço
Namoro
Nossa Senhora
Tempo para Deus
Oferecimento de Obras
Oração
Perdão
Ouvir a Deus
Otimismo
Paz Interior
Perdão
Desprendimento
Pobreza
Paciência
Natal
Presença de Deus
Felicidade
Preguiça
Preocupação Social
Primeiro Mandamento
Prazer
Retidão
Pontualidade
Quaresma
Rotina
Respeito
Pobreza
Rotina
Visita ao Santíssimo
Paciência
Acolhimento
Santa Missa
Oração
Amar
Jesus Cristo
Retificar
Advento
Páscoa
Ordem
Aniversário
Equanimidade
Santo Agostinho
Terço
Fortaleza
Tudo é para o bem
Vaidade
Superficialidade
Trabalho
Silêncio Interior
Tolerância
Exemplo
Pilar da vida humana

Preparação para o Natal – IV: oração para a noite de Natal

Olá todos!
Como última mensagem de preparação para o Natal gostaria de sugerir uma oração para ser feita na noite de Natal. Será uma forma de “cristianizar” esta festa e fazê-la muito perto de Deus.

Um santo Natal a todos!!!

* * *

O Menino Jesus que traz o amor.
Em nome do Pai… 

Que alegria estarmos todos aqui reunidos para celebrarmos mais uma vez o nascimento de Cristo. 

Os céus estão em festa. Os anjos cantam sem cessar: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade. 

S. Lucas, no seu Evangelho, nos transmite como foi o nascimento: 

Naqueles tempos apareceu um decreto de César Augusto, ordenando o recenseamento de toda a terra. Este recenseamento foi feito antes do governo de Quirino, na Síria.

Todos iam alistar-se, cada um na sua cidade.Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à Cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi,
para se alistar com a sua esposa Maria, que estava grávida.

Estando eles ali, completaram-se os dias dela. E deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria. 

Havia nos arredores uns pastores, que vigiavam e guardavam seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura. E subitamente ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência (divina).

Depois que os anjos os deixaram e voltaram para o céu, falaram os pastores uns com os outros: Vamos até Belém e vejamos o que se realizou e o que o Senhor nos manifestou. Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura. Vendo-o, contaram o que se lhes havia dito a respeito deste menino.

Todos os que os ouviam admiravam-se das coisas que lhes contavam os pastores.
Maria conservava todas estas palavras, meditando-as no seu coração. Voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, e que estava de acordo com o que lhes fora dito (Lc 2, 1-20).

Há mais de dois mil anos atrás Jesus nasceu. E Jesus é Deus. Ou seja: Deus veio a terra. Que verdade tão impressionante! Veio para estar conosco, para nos fazer companhia, para iluminar a terra, para encher-nos de alegria, para nos salvar.

E a verdade mais impressionante é que a cada Natal Ele vem de novo, nasce de novo. Só que nos nossos corações.

Por isso, agora, vamos alegrar-nos uma vez mais com esta grande notícia: eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor.

Vamos deixar os anjos rodear-nos como fizeram com os pastores: e subitamente ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência divina.

Vamos pedir ao Menino Jesus que este Natal o seu Amor inunde os nossos corações.

Deus é Amor e deseja que o seu amor entre tão profundamente nos nossos corações que nos deixe loucos, apaixonados, embriagados de amor. Mas isto só acontecerá se abrirmos totalmente o nosso coração para Ele.

Façamos o propósito de abrir completamente o nosso coração para Ele. Façamos, o propósito, como dizia o Papa João Paulo II, de escancararmos as portas do nosso coração para Jesus. Não lhe demos apenas uma parte da nossa semana, do nosso dia, do nosso tempo para Ele. Podemos dar apenas uma pequena parte do nosso coração, mas assim nunca ficaremos “embriagados de Amor”. Teremos um pouco de amor, seremos um pouco felizes, mas não “plenamente” felizes aqui na terra.

Façamos o propósito de que Deus seja o maior amor que busquemos, que Deus seja a razão de ser do nosso existir, que Deus seja a grande motivação da nossa vida, que Deus seja a fonte da nossa alegria, que passemos o dia, quer estejamos na escola, na rua, no trabalho, numa conversação contínua e amorosa com Ele.

Façamos o propósito também de que este Amor invada a nossa família. De modo prático que vivamos estas palavras tão bonitas de São Francisco de Assis:

Senhor: Fazei de mim um instrumento de vossa Paz.
Onde houver ódio, que eu leve o Amor,
Onde houver ofensa, que eu leve o Perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a União.
Onde houver dúvida, que eu leve a Fé.
Onde houver erro, que eu leve a Verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a Esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a Alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a Luz!

Ó Mestre,
fazei que eu procure mais:
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando, que se recebe.
Perdoando, que se é perdoado e
é morrendo, que se vive para a vida eterna!

De modo concreto que sejamos uma família cada vez mais unida no amor e que não deixemos que se instaure o menor foco de desunião. Que o perdão venha rápido ao nosso coração. Que o Menino Jesus nos ensine a perdoar, assim como fez sempre na sua vida. Não é verdade que Jesus na manjedoura é a maior expressão do Amor e do Perdão? Que nunca esqueçamos que quanto maior é o nosso coração, maior é a nossa capacidade de perdoar.

Façamos, por fim, o propósito de que ninguém ganhe de nós no amor. Que, esquecidos de nós mesmos, vivamos para dar amor, para encher de amor a todos os parentes e amigos. E assim viveremos o Céu na Terra.

Assim seja! Amém!

Pai Nosso. Ave Maria. Glória ao Pai.

Cantos apropriados.

Pe. Paulo
Compartilhe: Facebook
Twittar