O valor vital e revelador do silêncio

Olá a todos!
Eis a ideia para vocês refletirem ao longo da semana: “o valor vital e revelador do silêncio”.

Sendo o homem corpo e espírito, tanto o nosso corpo quanto o nosso espírito precisam ser alimentados. E o espírito se alimenta do silêncio.

Nós no Ocidente temos um grande inimigo do silêncio: a correria do dia a dia. Isso dificilmente acontece na maioria dos países do Oriente. Essa correria nossa, se não a combatemos, leva a uma grande pobreza espiritual. Por isso, dizia Madre Teresa de Calcutá que “a pobreza do Ocidente é maior do que a pobreza do Oriente”, pois a riqueza espiritual é muito mais importante do que a riqueza material.

Nesse sentido, é muito importante para nós poder participar de um retiro espiritual. Todas as vezes que convido uma pessoa para participar num fim de semana de um retiro espiritual de silêncio, a primeira reação que ela tem é de um certo retraimento. Como poucos estão acostumados a ficar em silêncio, essa proposta parece um tanto perturbadora. Alguns dizem: “Nossa, como será isso? Será que vou conseguir ficar em silêncio dois dias?”.

E o surpreendente é ver a reação das pessoas no fim do primeiro dia de retiro: “Nossa, nunca pensei que um retiro fosse me fazer tão bem! É a melhor coisa que estou fazendo na minha vida! Enxerguei coisas que nunca havia enxergado até agora! Percebi agora quanto Deus me ama! Percebi agora os erros que estou cometendo no meu casamento! Percebi agora qual é o caminho que devo seguir no âmbito profissional!”. Frases como essas mostram o valor incrível de um retiro, o valor incrível do silêncio.

Uma imagem que me vem frequentemente à cabeça para representar a pessoa que vive sem ter momentos de silêncio é a da tábua sendo levada por uma enxurrada. Precisamos assumir as rédeas da nossa vida! Uma pessoa que é levada por uma correnteza nunca é plenamente feliz. Pode alcançar alguns objetivos, mas estará longe de se realizar plenamente.

O fruto mais extraordinário do silêncio é o encontro com Deus. Todas as pessoas espiritualizadas são unânimes em dizer que o silêncio é a porta que dá acesso a Deus, que nos permite ouvi-Lo, conectar e conversar com Deus.

Vamos fazer o propósito, portanto, de ter em nosso dia ao menos um momento de silêncio. Sempre me recordo de uma frase de Santa Teresa que para mim foi muito marcante: “Quem faz quinze minutos de oração se salva. Quem não faz nem precisa de demônio para tentá-lo”. Nessa frase, ela ressalta a importância do silêncio para retificar a nossa conduta, pois é no silêncio, principalmente quando é feito na presença de Deus, que conseguimos refletir sobre nossas atitudes, enxergar o que não está bem e colocar o remédio oportuno.

De modo prático, recomendo a todos:
– que parem todos os dias ao menos dez minutos para se porem na presença de Deus e conversar com Ele sobre o dia, as preocupações, as alegrias, para examinar a própria conduta, para pedir luzes, para conhecer mais a Deus; indico um livro extraordinário para isso:
https://app.box.com/s/c11cseyis5q8c6dwqx2nqbjv6vs50l73
– que façam uma vez por ano um retiro espiritual de silêncio.
 
Uma semana abençoada a todos!
 
Padre Paulo