“Esposas irrestíveis”

Olá a todos!
Eis a ideia para vocês refletirem ao longo da semana: “esposas irresistíveis”.

O casamento é uma troca contínua de amor. E o amor, como vimos tantas vezes, não é um simples sentimento, ou paixão, mas uma entrega, uma doação movida por uma grande alegria: a alegria de fazer o outro ser feliz. Movidos por amor, os maridos procuram dar todo o seu ser à pessoa amada. No fundo, o que torna irresistível um marido, ou uma esposa, é sua entrega total ao outro cônjuge (apenas Deus é mais importante na ordem da caridade do que o cônjuge).

No entanto, como essa entrega é feita sob muitos aspectos, às vezes os maridos ou as esposas podem descuidar de alguns pontos importantes. Segundo Willard Harvey Jr., um orientador familiar americano, há cinco aspectos na doação que as esposas precisam ter muito presentes, pois, de acordo com sua pesquisa, os maridos, com sua psicologia própria, dão a isso muito valor. É algo orientativo, já que cada homem é único, assim como cada mulher, e, como em toda pesquisa no âmbito humano, não há certo e errado como na matemática. Que os aspectos mencionados sejam ocasião para cada esposa refletir e ter um diálogo com o marido, vendo a importância que dá a eles.

1. Apoio no lar

Todo marido espera que sua esposa seja um apoio no lar. O que isso significa? Significa que todo marido deseja que sua esposa transforme a sua casa num lar verdadeiro, não numa pousada, num hotel, numa pensão.

Todo marido precisa gostar de voltar para o seu lar. Se ele não gostar, inventará coisas que o façam chegar mais tarde, como happy hours, encontros com os amigos, permanência por mais tempo no próprio trabalho etc. Se o marido encontrar, por exemplo, uma casa desgovernada, com crianças chorando, comida por fazer, bagunça, ele não terá prazer em voltar para lá. Muito menos se a esposa despejar todos os problemas do dia em cima dele. A esposa tem de receber o marido fazendo festa: dando-lhe um forte abraço e dizendo-lhe, por exemplo: “Ó meu amor, que bom que você chegou, que saudade de você!”. Do contrário, esta hora será uma “bad hour”, e o fará desejar aquelas “happy hours” com seus amigos.

Uma dica que Dora Porto dá, por exemplo, é que a mulher ofereça, com certa frequência, um aperitivo ao marido, pois todo marido gosta de um aperitivo, e mais ainda quando a bebida é a que ele adora. Isso significa o quê? Que a esposa está cuidando do marido, está dizendo “eu te amo, você é especial para mim”. Que o marido tenha uma boa surpresa ao chegar em casa. Não precisa ser nada muito especial, basta algo simples.

2. Que a esposa admire seu marido

Que cada esposa ache seu marido uma pessoa bacana, bonita (em vez de dizer que está gordo, ficar pegando no pé porque não para de comer). Diz Dora Porto que as mulheres precisam tomar cuidado com o defeito de ser muito críticas, de ver falha em tudo, de censurar quem não deve e ainda mais na hora errada. Por exemplo: quando o marido está falando mal da família, a mulher deve tomar cuidado para não “aproveitar a ocasião” e falar tudo o que pensa. As mulheres têm de estar elogiando sempre o marido: “Como ficaram bonitos em você esses cabelos brancos, eu admiro a sua disciplina, a sua paciência!”.

3. Que a esposa seja “excelente parceira sexual”

Que a esposa não seja uma parceira sexual que sempre diga: “Ah, puxa vida, estou muito cansada, com sono”. Que ela descubra aquilo que mais o agrada, os melhores momentos. Que esteja disposta com mais frequência. As mulheres, diz Dora, “quando namoram querem sexo, quando se casam têm dor de cabeça, o que, muitas vezes, é uma desculpa esfarrapada”. Não pode ser assim.

4. Os homens precisam que as mulheres sejam companheiras silenciosas

Em sua maioria, as mulheres são, segundo Dora Porto, companheiras falantes, que dão palpites. E os homens querem, muitas vezes, só a companhia da mulher ao seu lado, para assistir, por exemplo, a um jogo de futebol, uma corrida de F-1, um filme. Não querem que dê palpites quando eles falam das dificuldades no trabalho, dos problemas na sua família. Se o homem não quer a opinião da esposa, diz Dora, não é porque não quer a companhia da esposa, é porque a sua natureza é assim, ele gosta que a esposa esteja ao seu lado, mas sem dar palpite. Dora diz para a esposa que não tenha medo de “velar o morto”, de ficar ao lado do marido que está quietinho assistindo, por exemplo, ao filme de que ele gosta, sem falar nada, apesar de isso parecer para a mulher sem sentido. Quando o homem vê essa atitude na esposa, ele pensa: “Eu sou importante para ela”.

5. Que a mulher seja atraente

Dora afirma que a mulher não precisa ser magra como uma modelo, mas que tem de se cuidar. Que seja elegante, que se importe em fazer uma ginástica, que saiba tratar do cabelo sem que fiquem aparecendo as raízes, que cuide da sua pele, dos seus pés, das suas unhas. Nenhum homem gosta de sair armado, diz Dora, com um “canhão”.

Aguardem, pois na próxima mensagem, vou falar das cinco qualidades que tornam os maridos irresistíveis. Quem quiser poderá ouvir o áudio desta palestra aqui:
https://soundcloud.com/padre-paulo-ramalho/esposos-e-esposas-irrestiveis-dora-porto

Uma semana abençoada a todos!

Padre Paulo